Clicca qui per scaricare

Joint ventures, displacements and collective bargaining: the case of Companhia Siderúrgica Nacional
Titolo Rivista: SOCIOLOGIA DEL LAVORO  
Autori/Curatori: Sabrina de Oliveira Moura Dias 
Anno di pubblicazione:  2018 Fascicolo: 151 Lingua: Italiano 
Numero pagine:  17 P. 82-98 Dimensione file:  117 KB
DOI:  10.3280/SL2018-151005
Il DOI è il codice a barre della proprietà intellettuale: per saperne di più:  clicca qui   qui 


L’outsourcing costituisce una specifica forma di organizzazione della produzione e del lavoro che si è diffusa significativamente in Brasile e nel mondo negli ultimi decenni. Nonostante questa espansione, negli ultimi anni sono emerse una serie di critiche, sia attraverso azioni legali, sia attraverso la mobilitazione promossa da alcuni sindacati in particolare per gli effetti determinati sulle condizioni di lavoro. Attività di regolamentazione sono state adottate in Brasile dalla giustizia del lavoro che è intervenuta più volte a sanzione le forme illegali di outsourcing. Queste azioni hanno portato, in alcuni casi, a decisioni da parte delle aziende di re-internalizzazione di alcune attività, ma in altri casi anche a nuove forme di assunzione della forza lavoro, come quelle realizzate tramite il ricorso a joint venture. L’articolo si propone di comprendere l’impatto di questo tipo di gestione della forza lavoro sulla strategia di azione del sindacato e sui lavoratori di una grande azienda siderurgica brasiliana.


Keywords: Outsourcing, joint venture, industria siderurgica, sindacati

  1. Arouca J.C. (2007). O futuro do Direito Sindical. Revista LTr Legislação do Trabalho, 7: 654-665.
  2. Assumpção L.F.M. (2012). Os reflexos do dissídio coletivo “consensual” nas negociações coletivas: uma análise do desempenho negocial de sindicatos e empresas da região Sul-Fluminense do Rio de Janeiro antes e depois da EC n. 45. Dissertação (Mestrado em Sociologia e Direito), Universidade Federal Fluminense, Niterói.
  3. Biavaschi M. (2013). Justiça do Trabalho e Terceirização: um estudo a partir dos processos judiciais. In: Gomes A. de C., Silva F.T., a cura di, A Justiça do Trabalho e sua história. Campinas: Editora Unicamp.
  4. Boito Jr.A. (2003). A crise do sindicalismo. In: Ramalho J.R., Santana M.A., a cura di, Além da Fábrica. São Paulo: Boitempo Editorial.
  5. Boito Jr.A., Marcelino P.R. (2010). O sindicalismo deixou a crise para trás? Um novo ciclo de greves na década de 2000. Caderno CRH, 59: 323-338., 10.1590/S0103-49792010000200008DOI: 10.1590/S0103-49792010000200008
  6. Boltanski L., Chiapello E. (2009). O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes.
  7. Cardoso A.M. (2003). A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial.
  8. Dias S. de O.M. (2013). Precarious workers go on strike: outsourced workers mobilization in a brazilian steel industry. In: Bourgeon J.M., Roulot N., Varela R., van der Velden S., Wolikow S., a cura di, Actes du colloque “Grèves et conflits sociaux, Approches croisées de la conflictualité (du
  9. XVIIIe siècle à nos jours), MSH de Dijon: 549-560. -- Accessible at: http://mshdijon.u-bourgogne.fr/images/stories/pdf/Actes_-_Approches_croisees_de_la_conflictualite-2.pdf.
  10. Dias S. de O.M., Oliveira R.G. (2012). Novas e velhas práticas do mundo do trabalho: desterceirização e flexibilização das relações de trabalho. Revista Pós Ciências Sociais, 18: 181-206.
  11. Dieese (2012). A situação do trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000. São Paulo: Dieese.
  12. Dieese (2017). Terceirização e precarização das condições de trabalho Condições de trabalho e remuneração em atividades tipicamente terceirizadas e contratantes. Nota técnica, 172. São Paulo: Dieese.
  13. Krein D. (2007). Tendências recentes nas relações de emprego no Brasil (1990-2005). (Tese de Doutorado em Economia Aplicada). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
  14. Ladosky G., Ramalho J.R., Rodrigues I.J. (2014). A questão trabalhista e os desafios sindicais nos anos 2000. In: Oliveira R.V., Bridi M.A., Ferraz M., a cura di, O sindicalismo na era Lula: paradoxos, perspectivas e olhares. Belo Horizonte: Fino Traço.
  15. Marcelino P.R., Cavalcante S. (2012). Por uma definição de terceirização. Caderno CRH, 65: 331-346., 10.1590/S0103-49792012000200010.DOI: 10.1590/S0103-49792012000200010.
  16. Marcelino P.R. (2013). Trabalhadores terceirizados e luta sindical. Curitiba: Appris.
  17. Noronha E.G. (2009). Ciclo de greves, transição política e estabilização: Brasil, 1978-2007. Lua Nova, 76: 119-168., 10.1590/S0102-64452009000100005DOI: 10.1590/S0102-64452009000100005
  18. Pochmann M. (2008). A superterceirização do trabalho. São Paulo: Ltr.
  19. Rodrigues L.M. (2002). Destino do sindicalismo. São Paulo: Edusp/Fapesp.
  20. Rodrigues I.J. (2015). Trabalhadores e sindicalismo no Brasil: para onde foram os sindicatos? Cadernos CRH, 75: 479-491., 10.1590/S0103-49792015000300003DOI: 10.1590/S0103-49792015000300003

Sabrina de Oliveira Moura Dias, in "SOCIOLOGIA DEL LAVORO " 151/2018, pp. 82-98, DOI:10.3280/SL2018-151005

   

FrancoAngeli è membro della Publishers International Linking Association associazione indipendente e no profit per facilitare l'accesso degli studiosi ai contenuti digitali nelle pubblicazioni professionali e scientifiche