Clicca qui per scaricare

Il sistema carcerario in Brasile: tra aumento della detenzione e limite delle pene alternative
Titolo Rivista: SICUREZZA E SCIENZE SOCIALI 
Autori/Curatori: Ludovica Rossotti, Dario de Sousa, Silva Filho, Fabio Simas 
Anno di pubblicazione:  2018 Fascicolo: 2 Recidiva, carcere e misure alternative Lingua: Italiano 
Numero pagine:  12 P. 91-102 Dimensione file:  182 KB
DOI:  10.3280/SISS2018-002007
Il DOI è il codice a barre della proprietà intellettuale: per saperne di più:  clicca qui   qui 


L’articolo affronta il fenomeno della massiccia detenzione in Brasile, il paese con la terza più grande popolazione carceraria del mondo e con una rapida crescita della privazione dei tassi di libertà. Partendo dai fattori storici della struttura sociale brasiliana si illustrerà l’evoluzione dell’istituzione carceraria e si analizzeranno i fattori che hanno condizionato il limite delle pene alternative e la ristrettezza dei diritti degli imputati, non riuscendo di conseguenza a modificare il modello punitivo che caratterizza il Brasile.


Keywords: Misure alternative; carcere; Brasile; diseguaglianza; violazione dei diritti

  1. AA.VV. (2016). Tortura em tempos de encarceramento em massa. São Paulo: Pastoral Carcerária/ASSAC.
  2. Boiteux L. (2006). Controle Penal sobre Drogas Ilícitas: o impacto do proibicionismo no sistema penal e na sociedade. Tese de doutoramento; Universidade de São Paulo, Faculdade de Direito. Orientador Prof. Dr. Sergio Salomão Shecaira. São Paulo.
  3. Boiteux L. (2015). El antimodelo brasileño: prohibicionismo, encarcelamiento y selectividad penal frente al tráfico de drogas. In: Patrones del Mal. Drogas: nuevas paradigmas, viejas inercias. Revista Nueva Sociedad Nº255. Buenos Aires: Nueva Sociedad.
  4. Chazkel A. (2009). Uma perigosíssima lição: a casa de detenção do Rio de Janeiro na Primeira República. In: MAIA (etal). História das prisões no Brasil volume II. Rio de Janeiro: Rocco.
  5. DEPEN-Departamento Nacional de Informações Penitenciárias (2017). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública.
  6. Foucault M. (2009) Vigiar e punir: nascimento da prisão. 36.ed. Petrópolis: Vozes.
  7. Góes L. (2016). A “tradução” de Lombroso na obra de Nina Rodrigues: o racismo como base estruturante da criminologia brasileira. Rio de Janeiro: Revan.
  8. Marx K. (2012). O Capital: crítica da economia política. Livro Primeiro: o processo de produção do capital. 30ªedição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
  9. Marx K. (1982) O Capital: crítica da Economia Política. Livro 1, volume 2. 7ª ed. São Paulo:DIFEL
  10. Melossi D., Pavarini M. (2006). Cárcere e fábrica: as origens do sistema penitenciário (séculos XVI-XIX). Rio de Janeiro: Revan.
  11. Ministério da Justiça (2016). Justiça Global e Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Rio de Janeiro: Quando a liberdade é exceção. -- http://www.global.org.br/wp-content/uploads/2016/09/quando-a-liberdade-e-excecao.pdf.
  12. Rodrigues L. F. et alli. (2015). Mulheres e Crianças encarceradas: um estudo jurídico-social sobre a experiência da maternidade no sistema prisional do Rio de Janeiro. Grupo de pesquisa em Políticas de Drogas e direitos Humanos do Laboratório de Direitos humanos da Universidade Federal do Rio de Janeiro. -- Https://drive.google.com/file/d/OB6311AmqcdPVRmlXb25wakx2TVE/view?usp=drive
  13. Serra M.A. (2009). Economia política da pena. Rio de Janeiro: Revan.
  14. Silva A.L.A. (2014). Retribuição e história: para uma crítica ao sistema penitenciário brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris.
  15. Wacquant L. (2011). As Prisões da Miséria. Rio de Janeiro: Zahar.

Ludovica Rossotti, Dario de Sousa, Silva Filho, Fabio Simas, in "SICUREZZA E SCIENZE SOCIALI" 2/2018, pp. 91-102, DOI:10.3280/SISS2018-002007

   

FrancoAngeli è membro della Publishers International Linking Association associazione indipendente e no profit per facilitare l'accesso degli studiosi ai contenuti digitali nelle pubblicazioni professionali e scientifiche